A Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron) retomou neste fim de semana (8 e 9) a pós-graduação lato sensu em Estudos Avançados sobre o Crime Organizado e Corrupção (Orcrim), oferecida em parceria com a Escola Superior do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e o Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do Ministério Público de Rondônia (MPRO).

O quinto módulo da especialização foi ministrado pelo Conselheiro Substituto do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, Omar Pires Dias, e teve como tema a “Contabilidade Forense”. Omar ressaltou que, apesar da contabilidade, cujo objetivo principal é fornecer informações econômicas e financeiras que subsidiem processos de tomada de decisões, existir desde os primórdios da humanidade, apenas recentemente a justiça enxergou nela uma ferramenta para investigar e comprovar fraudes e outros crimes contra o erário.

O ministrante esclareceu as diferenças entre a perícia contábil e a contabilidade forense (ou investigativa). “A perícia é restrita, respondendo a quesitos que exigem conhecimento técnico específico. Já a contabilidade forense (ou investigativa) é parcial, visto que há um indício, e muito mais profunda, pois busca os elementos de prova”, afirmou. Omar também salientou que, ao contrário da perícia e da auditoria, que só podem ser realizadas por contadores, a contabilidade forense pode ser executada por profissionais de outras áreas, como o direito, bastando que estes tenham habilidades investigativas, conhecimentos contábeis e jurídicos para analisar os dados postos.

Após as explicações teóricas, os alunos iniciaram as atividades práticas. Divididos em grupos, analisaram diferentes casos e aplicaram as técnicas de contabilidade forense aprendidas. Das apresentações e debates, surgiu a proposta de um termo de cooperação com vistas a atuação coordenada entre os parceiros (MP, TCE, TJ, Polícia Civil e Militar) no combate à corrupção, integrando os conhecimentos e ferramentas disponíveis por cada entidade integrante do Sistema de Justiça.

Para o Diretor da Emeron, Desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia, que participou do módulo na manhã de sábado, o surgimento da proposta de convênio demonstra o alcance de um dos objetivos do curso, que é a integração de saberes.  “Em alguns momentos me deparei com situações em que me socorri dos conhecimentos dos colegas do Tribunal de Contas, pois se tratavam de assuntos que eu não dominava. Ao trazer esse curso, estamos mostrando o que cada instituição pode oferecer para que haja um auxílio mútuo, preservada a independência e convicção da cada um”, afirmou, sinalizando que a Emeron auxiliará na validação da parceria.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Emeron

Permitida a reprodução mediante citação da fonte Ascom/Emeron

Acompanhe-nos nas redes sociais: twitter.com/emeron_rondonia e facebook.com/EmeronRO

Poder Judiciário de Rondônia
Escola da Magistratura
Rua Tabajara, 834. Bairro Olaria. CEP 76.801-316
emeron@tjro.jus.br
(69)3217-1066