Na tarde da última quinta-feira, 28 de outubro, o Tribunal de Justiça de Rondônia e a Escola da Magistratura do Estado de Rondônia – Emeron realizaram a inauguração do prédio do Centro Cultural e de Documentação Histórica – CCDH, unidade integrante da estrutura organizacional da Emeron.

O Centro Cultural e de Documentação Histórica – CCDH é uma unidade vinculada ao Departamento Pedagógico da Emeron e que tem como função o fomento à cultura e a preservação da memória. O CCDH foi criado no ano passado a partir do então Centro de Documentação Histórica, existente há mais de 20 anos no TJRO e que em 2019 foi integrado à estrutura organizacional da Emeron. Em razão da pandemia do novo coronavírus, o CCDH iniciou suas atividades de forma remota com exposições e sarau virtuais em sua página na internet, como ação alusiva ao Dia do Magistrado.

Mesmo com a atuação virtual, a Emeron solicitou à presidência a destinação do prédio histórico localizado no centro tombado de Porto Velho para abrigar a nova unidade, visando a relação da edificação com os trabalhos a serem desenvolvidos pelo CCDH e também, como forma a continuar seu legado do prédio no campo da educação e da cultura, visto que desde sua construção, na década de 1940, já sediou a Divisão de Educação do recém-criado Território Federal do Guaporé, o Museu Territorial de Rondônia, o Centro Estadual de Ensino de Jovens e Adultos Padre Moretti, e no judiciário, os juizados da Infância e da Juventude.

Após um período de reforma, o prédio foi entregue à sociedade na última semana, em cerimônia que marcou também o batismo da nova unidade como Centro Cultural e de Documentação Histórica Desembargador Hélio Fonseca. O homenageado, que chegou a Rondônia na década de 1950, fez carreira nos poderes Executivo e Judiciário, sendo um dos primeiros sete desembargadores da Justiça de Rondônia. Além de pioneiro da justiça, Hélio Fonseca foi um entusiasta e estudioso da cultura e da história do estado, registrando suas pesquisas por meio da escrita. “Considero um reconhecimento justo, pois o desembargador Hélio Fonseca foi realmente um entusiasta e estudioso da cultura e da história do nosso estado. Transitou sobre todas as nossas facetas de nossa cultura e da nossa história”, afirmou Luciano Fonseca, filho do pioneiro que deu nome ao centro. Luciano também doou ao acervo do CCDH duas obras raras e um quadro de medalhas honoríficas pertencentes ao pai.

O presidente do TJRO, desembargador Paulo Kiyochi Mori, declarou que o Centro presta reverência aos pioneiros, não só aos sete samurais que em 1982 instalaram o Poder Judiciário do Estado, mas também a outros magistrados que por aqui estiveram antes mesmo que o Estado de Rondônia fosse criado e prestaram suas contribuições à Justiça. “A história registra, para o nosso orgulho, o destemor e a bravura de quem veio em missão de garantir a pacificação social há mais de cem anos”. 

Em seu discurso durante a cerimônia, o Diretor da Emeron, Desembargador Miguel Monico Neto, ressaltou que o CCDH não é apenas um lugar para olhar para o passado, mas para a construção do futuro e da cultura de paz, a partir de políticas de democratização do ensino e da cultura. Monico traçou todo o percurso para a criação do CCDH e para a inauguração de sua sede, relembrando a iniciativa do ex-diretor Desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia em integrar o então Centro de Documentação Histórica à Emeron, a participação do Tribunal Pleno nas autorizações de criação e de destinação do prédio do CCDH. “Apesar de muito nos honrar que este sonho esteja sob a tutela da Emeron, o Centro Cultural e de Documentação Histórica é um projeto de todo o judiciário, o que se fez notório com o apoio de meus pares na transformação do então Centro de Documentação Histórica em Centro Cultural e de Documentação Histórica – CCDH e na destinação deste prédio para o seu funcionamento”, pontuou. O diretor encerrou a fala compartilhando algumas das medidas que vem sendo tomadas pela Emeron para a implantação do Centro Cultural e de Documentação Histórica e agradecendo o apoio do Vice-Diretor, Edenir Sebastião Albuquerque da Rosa, e dos servidores e servidoras da Escola para a concretização do projeto.

Também participaram da cerimônia de inauguração a reitora da Universidade Federal de Rondônia, Marcele Pereira; o corregedor-geral do TJRO, desembargador Valdeci Castellar Citon, a juíza Euma Tourinho, presidente da Associação do Magistrados de Rondônia e o servidor Rafael Ricci, representando o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Rondônia.

Após a solenidade foram realizadas apresentações culturais de Taikô (tambores japoneses), do grupo Bikouran Daiko da Associação Japonesa Nikkey, e da Banda Agravo de Instrumento, formada por servidores do Tribunal de Justiça. Os convidados também conheceram as instalações do CCDH, com visita à exposição permanente que expõe documentos e remonta gabinete dos primórdios da justiça no Estado e à exposição temporária “Dia de feira”, da historiadora e também servidora do TJRO, Cecileide Correia.

IMPLANTAÇÃO DO CCDH

 A inauguração do prédio faz parte do projeto de implantação que vem sendo desenvolvido pela Emeron desde meados deste ano. Para tanto, a Escola Judicial criou um grupo de trabalho multidisciplinar que tem traçado as diretrizes para o funcionamento da nova unidade.

Os(as) servidores(as) que integram o grupo de trabalho também estão sendo capacitados em Gestão e Desenvolvimento Cultural, de forma a desenvolver das competências técnico-gerenciais necessárias para a atuação no CCDH, além de realizar intercâmbios com diversos Centros Culturais e de Memória do judiciário e de outros setores e fomentar parcerias nos campos da educação e cultura.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Emeron (com informações e imagens da CCOM)

 

 

Permitida a reprodução mediante citação da fonte Ascom/Emeron

Acompanhe-nos nas redes sociais: instagram.com/emeron_oficial, twitter.com/emeron_oficial, facebook.com/emeron.oficial e youtube.com/EscolaEmeron

Poder Judiciário de Rondônia
Escola da Magistratura
Av. Rogério Weber, 1872, Centro. CEP 76801-906
emeron@tjro.jus.br
(69)3309-6440