Entre os dias 27 e 29 de maio, a Escola da Magistratura de Rondônia (Emeron) promoveu, em sua sede em Porto Velho, o Curso de Justiça Restaurativa - Reforço Metodológico, que contou com a presença de profissionais da área psicossocial do Tribunal de Justiça do Estado. A formação tem o objetivo de fortalecer as práticas de justiça restaurativa e promover a cultura de paz.

O curso contou com a participação de 30 servidoras e servidores, incluindo psicólogos, assistentes sociais e pedagogos que atuam nas equipes técnicas dos Núcleos Psicossociais (Nups) nas comarcas do interior e na capital. Com carga horária de 20 horas-aula, a formação foi ministrada por quatro especialistas internos do TJRO: as assistentes sociais Elivânia Lima e Wídia Paiva, e os psicólogos Roger Bressiani e Luciana Martins.

Dividido em três unidades temáticas, o curso abordou diversos aspectos fundamentais da justiça restaurativa. A primeira unidade focou na análise de diferentes perspectivas sobre a resolução de conflitos e suas implicações para a prática. Os participantes exploraram os princípios dos círculos restaurativos, aprendendo sobre escuta ativa, igualdade de voz e resolução colaborativa.

Valéria Scheidegger, psicóloga no Nups da comarca de Ji-Paraná, comentou sobre a importância da formação e como aplicar no dia a dia. “O curso tem sido bem dinâmico, proporcionando uma excelente oportunidade para estudarmos e exercitarmos ao mesmo tempo, atuando e participando dos círculos de aprendizado. Essa experiência tem sido muito gratificante, estamos muito contentes, pois nossas expectativas estavam altas e foram plenamente atendidas”, pontuou a servidora.

Na segunda unidade, os participantes se aprofundaram nos círculos restaurativos aplicados em contextos de justiça juvenil e criminal. Foram discutidas práticas como os encontros vítima-ofensor-comunidade, com enfoque nos fundamentos teóricos e na estrutura dessas práticas. As atividades incluíram vivências circulares e a análise de estudos de caso.

A terceira unidade abordou as conferências de grupos familiares, oferecendo aos participantes habilidades para condução dessas práticas, além de técnicas de facilitação e comunicação não-violenta. Eles foram estimulados a uma reflexão crítica sobre a eficácia das práticas restaurativas em diferentes contextos.

O ministrante e psicólogo da Coordenadoria do Programa de Justiça Restaurativa do TJRO, Roger Bressiani, explica que o curso é um reforço metodológico com foco na prática, ao invés de aulas expositivas sobre teorias e conceitos. “A proposta é colocar os alunos em situações práticas, pois entende-se que esse método de trabalho se fixa melhor dessa maneira”, diz Roger.

Para isso, a formação é repleta de dinâmicas que simulam o trabalho real na comunidade e em situações do dia a dia. Bressiani finaliza explicando que a justiça restaurativa é um método alternativo para a resolução de conflitos, considerado muito importante e abrangente. O método envolve todas as partes do conflito, incluindo o agressor, o ofensor, as famílias e a comunidade, utilizando diversas metodologias como os círculos para promover a construção da paz.

A realização do curso é parte da continuidade da política institucional, que iniciou a formação de facilitadores em justiça restaurativa em 2021. Com mais esta ação, a Emeron avança na implantação e expansão do método, contribuindo significativamente para a construção de uma sociedade mais justa e harmoniosa.


Texto: Raíssa Ramos (estagiária, sob a supervisão de Gustavo Sanfelici)

Fonte: Assessoria de Comunicação – Emeron

Permitida a reprodução mediante citação da fonte Ascom/Emeron

Acompanhe-nos nas redes sociais: instagram.com/emeron_oficial, twitter.com/emeron_oficial, facebook.com/emeron.oficial e youtube.com/EscolaEmeron

//
Poder Judiciário de Rondônia
Escola da Magistratura
Av. Rogério Weber, 1872, Centro. CEP 76801-906
emeron@tjro.jus.br
(69)3309-6440